O novo Beco do Batman
Aguarde...

O novo Beco do Batman

Em, 2015 a viela localizada na Vila Madalena (Zona Oeste de São Paulo) começou a passsar por uma revitalização que a colocou no roteiro da arte urbana, da gastronomia e de um lifestyle que celebra um jeito mais sustentável de viver
 

 

FOTOS Fabiana Brandão

A passagem que liga as ruas Harmonia e Medeiros de Albuquerque, na Vila Madalena, em Pinheiros (Zona Oeste de São Paulo), sempre chamou a atenção de artistas e apreciadores de arte urbana, atraídos pela série de grafites que cobrem os 170 metros de muros e paredes do local.

Mas a baixa iluminação, aliada à localização erma (só há uma saída ao longo da viela, pela Rua Gonçalo Afonso), vinha afastando um público maior, impedindo que o espaço se tornasse, de fato, um ponto de convivência urbana na cidade.

No entanto, quem passar por lá hoje consegue perceber que algo mudou. No lugar de uma fileira de carros estacionados, restaurantes com mesas na calçada, pequenos comércios, algumas galerias de arte, e muita gente na rua (apreciando e fotografando os grafites), transformaram o cenário e conferiram fôlego novo ao beco.

 

 

O que mudou? - Interessados em tirar o local do limbo, alguns moradores se mobilizaram, no final de 2015, e conseguiram autorização da subprefeitura de Pinheiros para bloquear o tráfego de carros aos sábados. Essa iniciativa simples já mostrou resultados e, em maio de 2016, o poder público municipal decidiu incluir o beco no roteiro de atividades da Virada Cultural.

 

 

Segundo informações do site oficial da Prefeitura de São Paulo, foram investidos R$ 65 mil em pequenas mudanças de infraestrutura - que incluíram também a instalação de 13 pontos de iluminação LED no beco.

Não precisou de muito mais para que o local fosse redescoberto pelos moradores do bairro e de toda a cidade - provando que nada como um reforço na sensação de segurança para revitalizar qualquer ambiente urbano.

 

Acima, o EcoBeco

Até os turistas estrangeiros passaram a incluir o beco em seus roteiros. Helô Bacellar, proprietária da loja de doces e quitutes Lá da Venda (uma das novidades trazidas pela revitalização, instalada na Rua Harmonia, 161) disse à Revista Veja SP que a quantidade de visitantes gringos aumentou em 25% nos últimos seis meses. Como parte desse mesmo movimento, alguns hostels que funcionam na Vila Madalena começaram a oferecer tour guiados pelo espaço - foi o caso do Ô de Casa, localizado na Inácio Pereira da Rocha.

 

 

O Lá da Venda, da chef Helô Bacellar (foto divulgação)

 

Gastronomia - Entre as novidades por lá, o projeto mensal Canto da Bel (Rua Medeiros de Albuquerque, 97) tem sido um dos casos mais midiáticos. Organizado desde junho (sempre aos sábados) pela chef Bel Coelho, dona do restaurante Clandestino, a iniciativa oferece pratos de cozinha contemporânea que são servidos em mesinhas na calçada (a preços que não ultrapassam R$ 30). O mesmo vem sendo feito pela loja de cerâmicas Muriqui (showroom na Rua Aspicuelta, 99), que realiza jantares no beco com chefs famosos - até a estrela do programa MasterChef Brasil, Paola Carosella, já chegou a assinar um dos cardápios.

 

O interior do Lá da Venda (foto divulgação)

Arte  Já o estúdio criativo Local Studio Art entrou nessa história para reforçar a vocação artística que o Beco do Batman sempre teve. Formado pelos artistas Prozak, Boleta, Ndrua, Milo Tchais e Highraff, o coletivo inaugurou uma nova sede no local, impulsionando o fluxo de visitação dos interessados em grafite.

O espaço fica constantemente aberto à visitação e promove um interessante encontro entre os amantes da arte urbana e os artistas que expõem seus trabalhos pelas paredes. Próximos a essa nova sede Studio, outros endereços voltados à exposição e comercialização de obras de arte ajudam a transformar o beco num pequeno polo artístico na cidade.

 

 

Entre eles estão a A7MA (aberta na Rua Harmonia, 95) e uma filial da famosa galeria de arte contemporânea Luis Maluf. Inaugurada em maio deste ano, a Luis Maluf Art Lab (Rua Medeiros de Albuquerque, 9B) fica no coração do beco. Uma porta estreita conduz ao espaço de 120 metros quadrados voltados ao que os proprietários chamaram de "mais um espaço de troca artística do que um espaço expositivo convencional". A cara do Beco.

A nova onda de empreendimentos que escolheram o beco como endereço contemplam também assuntos ligados ao meio ambiente. O projeto EcoBeco (Rua Gonçalo Afonso, 106) surgiu por lá com o objetivo de aproximar os interessados em técnicas de construção civil que aliem economia, conforto, saúde e consciência ambiental.

 

 

O bistrô, O Chá

História do Beco - Em meados dos anos 1980, um desenho do super-herói Batman apareceu numa das paredes do beco e atraiu artistas e estudantes de artes plásticas - que começaram a preencher as paredes do espaço com outros trabalhos.

Assim nascia o Beco do Batman, 170 metros de muros que se acabaram se transformando numa galeria a céu aberto. Nos anos 2000, o local acabou virando uma das locações preferidas de produtoras de filmes e comerciais, e ganhou curadoria de um grupo de artistas, que passou a coordenar um revezamento entre os grafiteiros.