Stand up paddle: o homem da prancha
Aguarde...

Stand up paddle: o homem da prancha

ILHA GRANDE - Praias do Sul

 

 

Daniel Aratangy leva suas paixões a sério. Seu primeiro hobby, a fotografia, virou profissão em 1998 e desde lá, Daniel fotografou para as revistas mais importantes do país, Vogue, Trip e Marie Claire. Viajante desde nascença, Daniel que nasceu em Boston, veio bebê para o Brasil, já morou em Nova York e em Caraíva, não poderia deixar de trabalhar para as revistas de bordo. Com elas, o fotógrafo embarca para diversas viagens e sempre procura dar uma esticadinha para alimentar seu novo hobby, o stand up paddle, já que a fotografia virou o ganha pão. “Sempre levo minha prancha e tento ficar mais uns dias por minha conta”, afirma Daniel. “’Nas minhas viagens pessoais, sempre procuro lugar que tenha água e levo a minha prancha”, conta.

 

 

GALÁPAGOS

 

A primeira remada aconteceu em 2013 quando ele trouxe uma prancha de stand up paddle (SUP) dos Estados Unidos. “Sempre fui do mar, aprendi a velejar com o meu pai, faço competição de natação em águas abertas. A primeira vez que subi na prancha de SUP lá na praia Vermelha do Sul, em Ubatuba, eu já achei incrível”, conta. “O SUP é diferente dos outros esportes náuticos porque é mais lento, diferente de uma lancha ou um barco. É como conhecer uma cidade a pé ou de carro. Com o SUP, você pode navegar pela costa, encostar nas pedras, se quiser, é uma experiência diferente pelo ritmo e pela proximidade com a terra. Como tenho essa bagagem do mar, desde a primeira vez, quis fazer trajetos mais longos”, contou. Hoje, ele compartilha informações sobre o esporte e aventuras (que já são muitas)  no perfil @caminhosdosup, no Instagram, e no site (http://caminhosdosup.com.br). Em sua primeira empreitada, ele saiu da praia das Toninhas, em Ubatuba e remou até a ilha Anchieta. “Fui sem muita estrutura, cheguei lá morrendo de fome e dei sorte porque tinham uns bombeiros fazendo treinamento de resgate e me deram comida, arroz, feijão, tudo”, diverte-se.

 

 

UBATUBA - Praia da Lagoa

 

 

ILHA BELA

 

 

Em apenas 4 anos, Daniel tem se tornado referência no SUP, ganhou apoio de  marcas de pranchas e já remou pelo Brasil e mundo afora: Bonito, Alagoas, Alter do Chão, Fernando de Noronha, Amsterdã, Galápagos, Copenhagen, entre outros picos selvagens ou urbanos que ele adora conhecer. Duas de suas maiores aventuras foram a travessia ao redor da Ilha Grande, 125km divididos em 4 dias e a travessia do Canadá aos Estados Unidos.  “Quem acompanha o meu instagram acha que eu tô viajando o tempo inteiro, mas não é assim, eu fico bastante em São Paulo trabalhando”, revela. Antes de cada travessia, Daniel pensa na logística e faz um planejamento: “Meço as distâncias. Vejo se é viável, começo a acompanhar a previsão do vento. O mais difícil do SUP é remar quando tem vento contra. Começo a pensar de onde dá pra sair e onde posso chegar. Aí eu levo comida, água, câmera e drone”, conta. Bora remar?

 

 

ILHA GRANDE - Lagoa Verde

 

 

NAZARÉ PAULISTA

 

 

Conheça 5 travessias incríveis no Brasil para fazer de SUP!

 

CARAGUATATUBA A UBATUBA
Sai da praia de Tabatinga e chega na Praia da Lagoa.
Porque é legal: porque sai da última praia de Caraguá, rema pela ilha do Tamanduá, dá pra conhecer praias desertas, selvagens e ainda tem a história da praia da lagoa com as ruinas de uma antiga fazenda.
 Quanto tempo leva: 3h  de remada (ida e volta), sem contar as paradas

Qual o nível de dificuldade: intermediário
O que levar: frutas e água



 

 

CARAGUATATUBA

 

 

UBATUBA - Praia do Leo

 

 

PARATI
Sai de Parati-Mirim e chega no Saco do Mamanguá
Porque é legal: porque na chegada no Saco do Mamanguá dá pra fazer uma trilha pro pico do Pão de Açúcar , que tem um visual incrível
Quanto tempo leva: 3h de remada (ida e volta) 2h30 ( trilha)
Qual o nível de dificuldade: difícil

O que levar: frutas e água


 

 

FERNANDO DE NORONHA

Sai da praia do porto e chega na  Praia do Sancho
Porque é legal: tem a chance de encontrar golfinhos e observar a fauna marinha.
Quanto tempo leva: 4h
Qual o nível de dificuldade: difícil
O que levar: frutas e água.

 

 

FLORIANÓPOLIS
Sai da praia do Campeche e chega na ilha do Campeche
Porque é legal: é um caminho bonito e na ilha tem uma infra pra parar, sentar num barzinho, comer alguma coisa
quanto tempo leva: 1h (ida e volta)
Qual o nível de dificuldade: fácil
O que levar: frutas e água.

 

FLORIANÓPOLIS - Ilha do Campeche

 

 

ALTER DO CHÃO
Sai de Alter e chega na Ilha do Amor
Porque é legal: porque a ilha é perto, mas tem uma boa extensão para navegar ao redor

Quanto tempo leva: travessia de 5 min.
Qual o nível de dificuldade: fácil
O que levar: frutas e água.

 

ALTER DO CHÃO - Ilha do Amor